Você está aqui

Orçamento de carbono mundial para ser gasto em três décadas

NOTA DO EDITOR 18/11/13: Depois da publicação deste blog, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) atualizou o seu resumo para políticos. Os números nessa postagem foram atualizados para refletir as novas informações.

Ultrapassar esse limite coloca o mundo em um risco aumentado de incêndios florestais, descoloração dos corais, aumento do nível dos oceanos e outros impactos perigosos.

Quando o nosso orçamento de carbono terminará?

A comunidade internacional adotou um objetivo para a temperatura global não aumentar mais de 2°C comparado aos registros pré-industriais. Os cientistas investiram um esforço considerável em compreender qual é a magnitude das reduções de emissões necessária para limitar o aquecimento a esse nível, sendo que o mundo tem que lidar com impactos da mudança climática cada vez mais perigosos para cada grau de aquecimento (veja Caixa 1).

O IPCC AR5 resume a literatura científica e estima que as emissões cumulativas de dióxido de carbono relacionadas às atividades humanas precisam ser limitadas a 1 trilhão de toneladas de C (1000PgC) desde o início da revolução industrial se quisermos ter uma chance provável de limitar o aquecimento a 2°C esse é o "nosso orçamento de carbono" - o mesmo conceito que uma conta corrente. Quando nós tivermos gasto tudo, não haverá mais dinheiro (e as taxas do cheque especial do planeta serão muito mais significativas que as pequenas cobranças de um banco por um cheque devolvido).1

O relatório também mostra que, conforme os dados de 2011, nós emitimos aproximadamente 515 PgC desde a revolução industrial. Ou seja, nós queimamos cerca de 52% do orçamento de carbono. Faça os cálculos. O mundo tem apenas 485 PgC restando no orçamento. Esse saldo nos coloca no caminho para liquidar o nosso orçamento remanescente de carbono antes do final de 2045, sob uma trajetória intensiva de carbono.2

Como contexto, considere o ritmo acelerado de emissões da Terra: enquanto a primeira metade de todo o orçamento de carbono foi utilizada durante 250 anos, a segunda metade do orçamento será usada em apenas três décadas se as emissões continuarem iguais.

Essa nova descoberta tem implicações significativas para quantos anos mais nós podemos continuar emitindo uma taxa intensiva de carbono. Nessa postagem, explicarei por que a estimativa de 1 trilhão e três décadas é importante.

Por que o IPCC está falando sobre emissões cumulativas?

Para compreender as reduções de emissões necessárias para ter uma boa chance de limitar o aquecimento a 2°C, a comunidade climática se focou principalmente nos modos de emissão - ou seja, quando as emissões de gases do efeito estufa estão no máximo e a taxa para qual eles precisam ser diminuídas (como ter o máximo antes e então ter uma redução menos abrupta ou ter o máximo mais tarde e então reduzir abruptamente).

Mas devido aos avanços em modelos de clima de carbono associados, um número cada vez maior de publicações científicas3 mostrou que a temperatura está relacionada a quantidade total de emissões de CO2 liberadas durante um período de tempo - emissões cumulativas - ao invés do timing dessas emissões. Vista de outra forma, de uma perspectiva climática, a área total sob a trajetória de emissões importa mais para o aquecimento máximo do que o formato da curva.

Conforme as emissões aumentam, ocorrem determinados processos de intervenção que cancelam um ao outro, levando a um relacionamento quase linear entre aquecimento e emissões cumulativas. Por exemplo, conforme as concentrações atmosféricas de CO2 aumentam, cada tonelada de dióxido de carbono tem menos efeito no aquecimento (as faixas mais fortes de absorção já estão saturadas). Entretanto, muitos depósitos de carbono (como os oceanos) se tornam menos efetivos na absorção do dióxido de carbono em concentrações mais altas de CO2 dissolvido. Esses efeitos não equilibram um ao outro, levando a uma relação direta entre a quantidade total de CO2 emitido durante um período de tempo e o aquecimento.

O próximo conjunto de compromissos sob a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima deveria ser baseada em emissões cumulativas?

É extremamente importante para a comunidade internacional ter em vista o orçamento total de carbono quando desenvolver o próximo conjunto de compromissos de redução de carbono. De outra forma, as metas podem ser feitas para algum momento (como em 2030) sem o planejamento de limitar a quantidade geral de emissões que se acumulam nos anos anteriores.

Por exemplo, muitos países já estabeleceram os objetivos de redução de emissão de 2020 sem levar em consideração o orçamento geral de carbono. Isso significa que as emissões poderiam aumentar até um pouco antes de 2020 e então cair rapidamente. Apesar da meta ser atingida, haveria emissões cumulativas maiores se as emissões tiverem diminuído continuamente pelo mesmo período. Ainda assim, a nova pesquisa não significa que os líderes deveriam desistir das metas de redução de emissões baseadas em cronograma. Por exemplo, Meinshausen et al. mostrou que quanto mais altas forem as emissões em 2020, mais desafiador será limitar o aquecimento a 2°C. Se as emissões tiverem o seu máximo mais tarde, as taxas de declínio posteriores se tornam bem abruptas.

Proteger-se na descarbonização rápida não é uma aposta segura

Apostar o nosso orçamento de carbono em um declínio rápido das emissões mais para a frente não vai apenas ser caro, mas também pode ser tecnologicamente inviável devido a inércia no nosso sistema de energia (como o número de anos que leva para renovar uma frota de veículos ou modernizar uma usina de energia). Alcançar o máximo em anos tardios exigiria taxas de declínio sem precedentes.

E até mesmo com políticas climáticas internacionais fortes, uma descarbonização mais rápida (a taxa de declínio em emissões por unidade de PIB) exigirá mais dinheiro e uma alteração considerável de política. Para evitar altas taxas de descarbonização, alguns marcos no modo de emissão (como as metas 2020, 2030, 2050) podem ser muito úteis, especialmente para os investidores. Os marcos também garantirão que um fardo injusto não seja depositado na próxima geração.

Mas talvez o mais importante, é possível defender um orçamento ainda menor e limites de emissão adicionais, já que outros gases além do CO2 não estão incluídos no cálculo de 1 trilhão de toneladas de C. Por exemplo, os gases do efeito estufa de vida curta, como o metano, não estão inclusos - e nem são necessariamente apropriados4 - no orçamento de 1 trilhão de toneladas de C, pois eles têm um papel secundário na influência do aquecimento em longo prazo.

Entretanto, quando as forças que não sejam o CO2 são levadas em consideração, o orçamento é reduzido e pode depender do cenário estudado. Por exemplo, conforme um cenário estudado no IPCC AR5 (RCP 2.6), quando os gases do efeito estufa que não sejam o CO2 são considerados, o orçamento cai ainda mais do que 790PgC. Esse cenário implicaria em uma sobra de orçamento de apenas 275 PgC e a exaustão do orçamento em menos de duas décadas se as emissões de dióxido de carbono aumentarem em uma taxa intensiva de carbono.5


  1. Emissões negativas contínuas além da data de exaustão poderiam, em teoria, compensar pelas emissões positivas, então essa análise é ilustrativa. ↩︎

  2. Veja nota de rodapé 1 na tabela de dados. Assume o cenário RCP 8.5 ↩︎

  3. Nature, Proceedings of the National Academy of Sciences, Nature, Nature, American Meteorological Society, Nature ↩︎

  4. GEEs de vida curta podem ser melhor controlados através de uma abordagem distinta. Para mais informações veja aqui e aqui ↩︎

  5. Veja Tabela. Orçamento é exaurido em 2032 se as taxas de crescimento RCP 8.5 CO2 forem adotadas ↩︎

ShareThis Button: 

Share

Comentar

Fique Conectado

Receba Nossa Newsletter

Receba os últimos comentários, eventos, publicações e recursos multimídia.