Você está aqui

45 cidades unidas para conservar e restaurar florestas

Inundações e deslizamentos de terra estão causando estragos em cidades de Bangkok a Bangalore. Ilhas de calor estão tornando as temperaturas sufocantes de São Paulo a Los Angeles. E as preocupações com água potável crescem de Bogotá a Joanesburgo e Jacarta. A elevação do nível do mar ameaça tanto Miami quanto Mumbai. Agora, uma coalizão de cidades foi formada para proteger seus moradores dessas ameaças lançando mão de um recurso subestimado nesse contexto: florestas.

Hoje na Global Climate Action Summit (em português, “Cúpula da Ação Climática Global”), 45 cidades dos seis continentes uniram-se na iniciativa Cities4Forests, comprometendo-se a conservar e restaurar suas florestas e a promover a conscientização da população a respeito de seus benefícios. Os municípios que integram a iniciativa incluem Addis Ababa, Amman, Auckland, Jacarta, Joanesburgo, Cidade do México, Oslo, São Paulo, Toronto, além de muitas outras nos Estados Unidos, como Oakland, Raleigh, Salt Lake City e Seattle.

“A cidade de São Paulo orgulha-se em fazer parte da iniciativa Cities4Forests e não medirá esforços para conservar e ampliar suas áreas verdes. Florestas urbanas contribuem para a regulação da humidade e da temperatura, para o controle da qualidade do ar e para a saúde das pessoas. Nossa cidade tem 30,4% de seu território coberto pela Mata Atlântica, e preservar esse bioma, um tesouro de fauna e flora, é uma de nossas prioridades. Estamos juntos nesse desafio”, reforça o prefeito de São Paulo, Bruno Covas.

<p>Parque Ibirapuera, em São Paulo</p>

Parque Ibirapuera, em São Paulo (Foto: Rodrigo Soldon/Flickr)

“As cidades têm impactos invisíveis sobre as florestas, dos quais muitas pessoas não estão cientes. Muitos produtos que consumimos – madeira, papel, óleo de palma (azeite de dendê), soja, carne bovina – podem ser responsáveis pela destruição de florestas. E os benefícios que as florestas trazem para as cidades também são subestimados ou pouco conhecidos”, afirma Frances Seymour, pesquisadora e pesquisadora sênior do WRI. “Quanto mais aprendemos sobre como as árvores interagem com a atmosfera, mais nos damos conta de como as florestas influenciam o clima tanto em escala local quanto global. As florestas são uma importante fonte de resiliência e estabilidade climática para as pessoas, independentemente de onde moram ”, completou.

Árvores e florestas possuem um valor inestimável para as cidades e seus moradores. A iniciativa Cities4Forests trabalha em três níveis: florestas internas, próximas e distantes. Árvores dentro do perímetro urbano – “florestas internas”, em parques, praças, ruas e quintais – ajudam a filtrar o ar, moderar as temperaturas e, com isso, a reduzir o gasto com eletricidade. As árvores nas áreas no entorno do perímetro urbano – “florestas próximas” – protegem contra enchentes e deslizamentos de terra, reduzem os custos com o tratamento de água e oferecem às pessoas um local de descanso e “fuga” do dia a dia agitado na cidade. Por último, as “florestas distantes”, particularmente as tropicais, sequestram carbono da atmosfera, ajudando a combater as mudanças climáticas, geram chuva para os cinturões agrícolas, fornecem uma variedade de produtos essenciais e ingredientes medicinais e abrigam a maior parte da biodiversidade terrestre do mundo.

As 45 cidades fundadoras da Cities4Forests estão espalhadas por todos os continentes, à exceção da Antártica, e representam 164,9 milhões de habitantes (veja a lista completa abaixo). Essas cidades dividem o mesmo desafio: reduzir o desmatamento, restaurar florestas e ajudar a preservar áreas florestais tanto dentro quanto fora dos limites de cada município.

<p>Mapa da iniciativa Cities4Forests</p>

Todas as cidades que integram a Cities4Forests estão comprometidas a:

  • Entender. Avaliar sua dependência e seus impactos em árvores e florestas.
  • Engajar. Conscientizar a população sobre os benefícios das florestas, comunicar o que as pessoas podem fazer para causar um impacto positivo e trabalhar em conjunto com outros órgãos governamentais para melhorar a saúde de suas florestas.
  • Inovar. Aproveitar o potencial das florestas de atingir metas climáticas, garantir o fornecimento de água limpa, reduzir o escoamento de águas pluviais, melhorar a saúde pública e oferecer oportunidades de lazer.
  • Agir. Implementar novas ferramentas, políticas locais, programas de voluntariado, investimentos e contratações públicas para cumprir esses objetivos.
  • Progredir. Envolver-se nos três níveis da Cities4Forests (florestas internas, próximas e distantes), participando de pelo menos um nível até 2020, dois até 2022 e dos três até 2025.
  • Compartilhar. Dividir percepções, experiências e inovações para inspirar ambição e mobilizar ação entre cidades do mundo todo.

“Conservar nossas florestas está no topo da lista de prioridades do plano de ação climática da Cidade do México. Na verdade, 59% do nosso território é uma área conservada que nos proporciona inúmeros benefícios ambientais – absorvem emissões de carbono, protegem nossos recursos hídricos, regulam a temperatura da cidade e criam um espaço de biodiversidade. Esses benefícios são fundamentais para a sustentabilidade da Cidade do México e para a qualidade de vida dos moradores. E nós sabemos que as florestas fora dos limites da cidade também precisam de proteção”, comenta Tanya Müller García, Secretária Municipal do Meio Ambiente da Cidade da capital mexicana. “A Cidade do México é a primeira na América Latina a lançar um título de carbono florestal. E agora, com nossos compromissos na Cities4Forests, continuamos avançando com metas climáticas ainda mais ambiciosas”.

<p>Chapultepec, Cidade do Mexico</p>

Chapultepec, na Cidade do México (Foto: Hugo Adolfo Beltran Olivas/Flickr)

A Cities4Forests é gerenciada por WRI, Pilot Projects e REVOLVE. As cidades que se juntam à iniciativa podem aproveitar o conhecimento e apoio técnico dessas organizações para: medir sua cobertura florestal e avaliar locais estratégicos para o plantio de árvores com o máximo benefício; qualificação técnica para solicitar financiamento para o plantio de árvores; orientação sobre onde obter financiamento para proteger áreas fluviais ou restaurar regiões degradadas; apoio na elaboração de diretrizes sustentáveis para a aquisição de madeira, materiais de construção e produtos de papel; assistência para assegurar créditos de carbono legítimos, que mantenham as florestas em pé.

“Sou uma moradora urbana em uma cidade rodeada por florestas. Sei o quão vital essas florestas, acessíveis e silenciosas, são para a saúde e o bem-estar das pessoas que vivem em Oslo. As regiões de florestas são incrivelmente valiosas para as cidades e seus habitantes por diversos motivos – contemplação, prática de exercícios, qualidade do ar e da água. E as florestas mais distantes, como as tropicais, são ainda mais importantes”, avalia o Ministro de Clima e Meio Ambiente da Noruega, Ola Elvestuen. “Elas contribuem com chuvas para a produção de alimentos e a segurança alimentar em todo o mundo e combatem as mudanças climáticas armazenando grandes quantidades de carbono. Parar e reverter o desmatamento tropical é fundamental para manter esses benefícios, e somente com as cidades e seus cidadãos engajados nessa luta poderemos ter sucesso”, acrescenta.

Gestores urbanos também terão o benefício de integrar uma rede que proporciona a troca de experiências com outras lideranças e governos municipais, possibilitando o aprendizado com casos de sucesso e materiais de engajamento e comunicação com a população.

Abaixo, as cidades que assinam a Declaração da Cities4Forests:

  1. Acra, Gana
  2. Addis Ababa, Etiópia
  3. Aguascalientes, México
  4. Amman, Jordânia
  5. Antalya, Turquia
  6. Antananarivo, Madagascar
  7. Auckland, Nova Zelândia
  8. Baltimore, Estados Unidos
  9. Belo Horizonte, Brasil
  10. Bogotá, Colômbia
  11. Campinas, Brasil
  12. Culiacán, México
  13. Detroit, Estados Unidos
  14. Eugene, Estados Unidos
  15. Guadalajara, México
  16. Haifa, Israel
  17. Honolulu, Estados Unidos
  18. Jacarta, Indonésia
  19. Joanesburgo, África do Sul
  20. Kigali, Ruanda
  21. Condado de King, Estados Unidos
  22. Kochi, Índia
  23. Lin'an, China
  24. Little Rock, Estados Unidos
  25. Los Angeles, Estados Unidos
  26. Manchester, Reino Unido
  27. Mérida, México
  28. Cidade do México, México
  29. Nova York, Estados Unidos
  30. North Little Rock, Estados Unidos
  31. Oakland, Estados Unidos
  32. Oslo, Noruega
  33. Filadélfia, Estados Unidos
  34. Portland (OR), Estados Unidos
  35. Quito, Equador
  36. Raleigh, Estados Unidos
  37. Sacramento, Estados Unidos
  38. Salem (OR), Estados Unidos
  39. Salt Lake City, Estados Unidos
  40. Salvador, Brasil
  41. São Paulo, Brasil
  42. Seattle, Estados Unidos
  43. Toronto, Canadá
  44. Viena, Áustria
  45. Washington, DC, Estados Unidos  

A Cities4Forests conta com o apoio da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), do estado de Jalisco, no México, e da Fundação FEMSA. “A Fundação FEMSA tem o prazer de apoiar a Cities4Forests como uma plataforma para ampliar estratégias de infraestrutura verde na América Latina visando ao desenvolvimento urbano sustentável e à segurança hídrica. Vemos um horizonte de projetos inovadores emergindo dessas cidades, com potencial de escala e replicação”, considera Mariano Montero Zubillaga, diretor da Fundação FEMSA.

Mais informações na página www.wri.org/our-work/project/cities4forests

ShareThis Button: 

Share

Fique Conectado

Receba Nossa Newsletter

Receba os últimos comentários, eventos, publicações e recursos multimídia.