Elizabeth Farina é a Diretora Executiva do WRI Brasil, instituto de pesquisa no qual lidera uma equipe de mais de 70 profissionais que atuam no desenvolvimento de estudos e implementação de soluções sustentáveis em clima, florestas e cidades. Em parceria com os setores público e privado, a organização trabalha com temas como mobilidade urbana sustentável, desenvolvimento urbano, mobilidade ativa, restauração florestal, modelos econômicos para restauração florestal com espécies nativas, infraestrutura natural, governança e economia do clima.

Antes de fazer parte do WRI Brasil, entre 2019 e 2021, Elizabeth foi diretora presidente da Tendências Consultoria Integrada, uma das principais empresas de consultoria econômica do Brasil. De 2012 a 2019 liderou a Associação Brasileira da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), que representa quase 60% da produção brasileira de cana-de-açúcar, açúcar, etanol e cerca de 70% da bioeletricidade (eletricidade a partir da biomassa da cana-de-açúcar).

Como professora da Universidade de São Paulo (USP), Elizabeth presidiu o Departamento de Economia por duas vezes. É doutora em Economia pela USP desde 1983 e professora titular a partir de 2001. Por mais de 10 anos foi vice-presidente do PENSA – Programa de Agronegócio da USP. Sua área de pesquisa e ensino foi a organização industrial, concorrência e estratégias empresariais aplicadas aos setores de alimentos e agronegócio. Orientou teses e dissertações nas temáticas de Regulação, Política de Concorrência e Agronegócio.

Trabalhou como consultora no Brasil e em outros países da América Latina como especialista em economia em estratégias de alimentos e agronegócio, processos antitruste e análises de atos de concentração. Publicou 8 livros, 14 capítulos em publicações e 25 artigos em periódicos nacionais e internacionais.

Entre 2004 e 2008 foi Presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica do Ministério da Justiça (CADE) e participou ativamente do Comitê de Concorrência da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Integrou a delegação brasileira e foi observadora não-governamental na COP 21 (Paris), COP 22 (Marrakesh) e COP 24 (Katowice), atuando como palestrante convidada e organizadora de painéis e eventos. Também foi membro da Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura.

Elizabeth faz parte do Conselho Superior do Agronegócio da Federação das Indústrias de SP (FIESP), do Centro de Estudos das Organizações da USP e da Comissão Externa de Avaliação do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper), entre outros.