Você está aqui

Este mês na ciência climática: extinção de primatas, Groenlândia sem gelo e uma explosão de dengue

Este post foi escrito por Kelly Levin e Dennis Tirpak e publicado originalmente no WRI Insights.


Todos os meses, cientistas fazem novas descobertas que avançam nossa compreensão sobre as causas e os impactos das mudanças climáticas. As pesquisas nos dão uma noção mais clara das ameaças que já enfrentamos e apontam o que ainda está por vir se não reduzirmos as emissões em um ritmo mais rápido.

A série “Este mês na ciência climática”, do WRI, faz um resumo das pesquisas mais significativas de cada mês, compiladas de publicações científicas reconhecidas. Nesta edição são explorados alguns dos estudos publicados em junho de 2019. (Para receber esse conteúdo diretamente em seu e-mail, em inglês, cadastre-se na newsletter “Hot Science”, do WRI.)

Antes de fornecer um resumo das novidades na literatura científica, nos sentimos compelidos a fazer um balanço de alguns eventos recentes em todo o mundo. Os últimos meses trouxeram sinais alarmantes das mudanças no clima, muitos dos quais estão alinhados com projeções de um mundo em aquecimento:

  • Os níveis de dióxido de carbono atingiram um pico recorde em maio de 2019, atingindo 414,8 partes por milhão (ppm). Isso foi 3,5 ppm maior do que a média mensal do ano anterior e o segundo maior aumento anual já registrado.

  • A Índia vivenciou uma onda de calor com temperaturas atingindo mais de 48°C.

  • Os Estados Unidos enfrentaram os 12 meses mais chuvosos (junho de 2018 a maio de 2019) já registrados.

  • Chuvas implacáveis ​​atingem o centro-oeste dos Estados Unidos, fechando ferrovias, rodovias e barragens.

  • O Panamá sofreu uma das piores secas da história, forçando os operadores do Canal do Panamá a restringir a quantidade de navios de carga que podem transportar.

  • O Centro Nacional de Dados de Neve e Gelo relatou um evento de degelo em grande escala em meados de junho que alcançou mais de 700 mil quilômetros quadrados, estabelecendo um recorde para tal extensão de superfície derretida no início da temporada. O Oceano Ártico experimentou altas temperaturas ao longo de junho, assim como um padrão de circulação atmosférica que estimulou a perda de gelo.

  • Dados de satélite confirmaram que o arco de gelo que atravessa o Estreito de Nares entre a Groenlândia e a Ilha Ellesmere, que normalmente se separa em junho ou julho, se rompeu em março de 2019, meses antes do previsto.

  • Pesquisas com drones revelaram erosão extrema nas costas do Ártico, com até um metro perdido a cada dia. O gelo do mar derreteu e expôs o permafrost de base, que agora está sendo levado por tempestades.

Esses impactos que já estamos experimentando refletem aqueles projetados em estudos científicos recentemente lançados:

Impactos nos Ecossistemas

  • A mudança climática ameaça os primatas: os cientistas estudaram a vulnerabilidade das 6.087 espécies de primatas e subespécies do mundo a ciclones e secas, dois tipos de eventos extremos que espera-se que se intensifiquem ou aumentem em número. Eles descobriram que 16% são vulneráveis ​​a ciclones, especialmente em Madagascar, e 22% são vulneráveis ​​à seca, especialmente na Malásia, Bornéu do Norte, Sumatra e na África Ocidental. Quase dois terços das espécies de primatas do mundo já estão ameaçadas de extinção por desmatamento, exploração, fragmentação de habitats e outros fatores de estresse; a mudança climática representará mais uma ameaça. Em outro estudo, cientistas descobriram que 74% dos primatas residentes nas florestas da América Central e América do Sul poderiam estar expostos a até 7 graus Celsius (12,6 graus F) de aquecimento, e 89% dos primatas podem experimentar aumentos de temperatura de mais de 3 graus C (5,4 graus F). De acordo com os pesquisadores, sem reduções urgentes de emissões o mundo verá extinções de primatas em uma escala sem precedentes.

  • Permafrost derrete 70 anos mais cedo do que o esperado: cientistas descobriram que o permafrost no alto ártico canadense, uma região de permafrost muito frio, está descongelando muito mais rapidamente do que o previsto devido às rápidas elevações de temperaturas. Observações recentes de degelo já excedem as projeções dos modelos para 2090.

  • Branqueamento de corais prejudica a diversidade de peixes: cientistas descobriram que a diversidade de peixes de recife de coral não se recuperou 16 anos após o branqueamento de corais. Espera-se que quase dois terços dos recifes experimentem o branqueamento anual induzido pelo estresse térmico em meados do século.

  • Ecossistemas mudam para o norte: usando quase meio século de dados sobre o movimento de espécies de aves nas Grandes Planícies da América do Norte, os pesquisadores descobriram que a fronteira do ecossistema norte se moveu quase 600 km ao norte. O limite mais austral moveu-se mais de 260 quilômetros (162 milhas) para o norte.

Outros impactos

  • Explosão de dengue: cientistas descobriram que 2,25 bilhões a mais de pessoas estarão sob risco de dengue em 2080 em comparação com 2015, elevando o risco total para 60% da população mundial. Isso se deve em grande parte ao crescimento populacional em áreas propensas à dengue, mas também porque o aquecimento está tornando mais áreas adequadas ao vírus. Por exemplo, espera-se que o risco de dengue se estenda para o sudeste dos Estados Unidos, para o norte da Argentina, para o interior da Austrália e para as maiores altitudes no centro do México. Níveis mais altos de aquecimento aumentam significativamente o risco.

  • Arroz é particularmente sensível à variabilidade climática: cientistas descobriram que outros grãos (ragi, milho, milheto e sorgo) são mais resilientes do que o arroz à temperatura e à variabilidade da precipitação na Índia. Os resultados sugerem que a diversificação de grãos pode ajudar a minimizar os impactos climáticos na Índia, onde o arroz é a principal cultura.

  • A demanda por energia deve aumentar significativamente devido ao aquecimento previsto: os modeladores sugerem que, devido ao aquecimento moderado, a demanda global por energia deverá crescer de 25% a 58%, além de um aumento de 1,7-2,8 vezes em relação à evolução socioeconômica. Espera-se que a demanda de resfriamento e as necessidades de irrigação aumentem; estima-se que a demanda de aquecimento diminua devido às estações frias mais quentes. O aumento na demanda de energia é especialmente alto nos trópicos, China, Europa e regiões do sul dos Estados Unidos.

  • Ligações entre clima e conflitos: cientistas descobriram que o clima já afetou o conflito armado organizado, embora outros fatores, como os níveis de desenvolvimento e as capacidades do Estado, sejam mais influentes. Especialistas disseram que as mudanças climáticas provavelmente aumentarão os riscos de conflito no futuro.

Eventos extremos

  • Calor mais perigoso nas cidades africanas: estudando 150 grandes cidades em 43 países africanos, os pesquisadores descobriram que o número de pessoas expostas a condições de calor perigosas será de 20 a 52 vezes maior no final do século, em comparação com os níveis de hoje. As cidades da África Ocidental e Central estão em maior risco.

  • Primeira avaliação global das ondas de calor marítimas: cientistas concluíram a primeira avaliação global das ondas de calor marítimas, períodos prolongados de temperaturas oceânicas muito quentes. A frequência de dias de ondas de calor marítimas aumentou mais de 50% no último século. Tais eventos podem ter impactos profundos sobre espécies marinhas e ecossistemas.

  • Cumprir metas do Acordo de Paris salvará vidas: um estudo focado em 15 cidades dos EUA descobriu que se o aquecimento for limitado a 2°C, poderíamos evitar entre 70 e 1.980 mortes anuais relacionadas ao calor por cidade durante futuras ondas de calor. Se a meta de 1,5°C for atingida, o número de mortes evitadas aumenta para 110 a 2.720 por cidade.

Gelo

  • Perda rápida de geleiras no Himalaia: pesquisadores quantificaram mudanças na espessura do gelo entre os glaciais do Himalaia por dois períodos: de 1970 a 2000 e de 2000 a 2016. A taxa de perda de gelo no segundo período foi o dobro da primeira, revelando a que a velocidade de derretimento da geleira está aumentando.

  • Uma Groenlândia livre do gelo: cientistas descobriram que a Groenlândia poderia contribuir com uma elevação de 5 a 23 centímetros do nível do mar até o final do século, e poderia ficar sem gelo em um milênio se as emissões continuarem sem parar. O derretimento total da camada de gelo causaria um aumento de 7,2 metros no nível do mar.

ShareThis Button: 

Share

Fique Conectado

Receba nossa newsletter

Receba os últimos comentários, eventos, publicações e recursos multimídia.