Você está aqui

Este mês na ciência climática: mais mortes relacionadas a acidentes, extinção em massa de aves marinhas, rios congelados desaparecendo

Este post foi publicado originalmente no WRI Insights.


Todos os meses, cientistas fazem novas descobertas que avançam nossa compreensão sobre as causas e os impactos das mudanças climáticas. As pesquisas nos dão uma noção mais clara das ameaças que já enfrentamos e apontam o que ainda está por vir se não reduzirmos as emissões em um ritmo mais rápido.

A série “Este mês na ciência climática”, do WRI, faz um resumo das pesquisas mais significativas de cada mês, compiladas de publicações científicas reconhecidas. Nesta edição são explorados alguns dos estudos publicados em janeiro de 2020. (Para receber esse conteúdo diretamente em seu e-mail, em inglês, cadastre-se na newsletter “Hot Science”, do WRI.)

Impactos em espécies e ecossistemas

Extinção de aves marinhas em larga escala: cerca de 62 mil araus-comuns, uma ave marinha do Pacífico Norte, foram encontrados mortos em 2015 e 2016, a maior extinção em massa de aves marinhas já registrada. Cientistas estimam que apenas uma pequena fração dos pássaros mortos chegou em terra; a mortalidade total provavelmente está próxima a 1 milhão de aves. Os cientistas agora atribuem essa mortalidade a uma onda de calor no oceano, apelidada de "bolha", que ocorreu em uma larga área ao mesmo tempo e afetou o suprimento de alimentos. Organismos de sangue frio intensificaram seu metabolismo como resultado das temperaturas mais altas, com peixes maiores exigindo quantidades insustentáveis ​​de peixes menores, o suprimento de comida dos araus, contribuindo para a fome das aves marinhas.

Enredamento de baleias: também durante a onda de calor marinha sem precedentes de 2014-2016 no nordeste do Pacífico, um número recorde de baleias foi envolvido por equipamentos de pesca de caranguejo. Cientistas descobriram que o aquecimento afetou a disponibilidade de alimentos (como o krill e a anchova), empurrando as baleias para a costa durante a pesca de caranguejo. Ao mesmo tempo, uma proliferação tóxica de algas, também causada pelas ondas de calor do mar, atrasou a abertura da pesca, de modo que o pico da pesca de caranguejo coincidiu com a migração das baleias.

Acidificação de corais e comportamento dos peixes: um novo estudo desafiou estudos anteriores, que sugeriam que a acidificação do oceano afetaria a visão, a audição, a aprendizagem, os níveis de atividade e a suscetibilidade à predação dos peixes, entre outros efeitos. O novo estudo não conseguiu reproduzir esses efeitos comportamentais.

Cogumelos ameaçados: cientistas descobriram que as espécies de fungos ectomicorrízicos – que incluem trufas, porcinos e outros cogumelos – em florestas de pinheiros na América do Norte diminuirão em até um quarto nos próximos 50 anos devido aos impactos climáticos. Esses fungos desempenham um papel fundamental na saúde das florestas.

Declínio de lagarta tropical: em um estudo que analisou 22 anos de dados de uma estação de pesquisa biológica na Costa Rica, cientistas detectaram um declínio dramático de lagartas e parasitóides, que controlam as populações de pragas. Uma das causas é a inundação frequente das mudanças climáticas. Tais perdas de espécies podem ter efeitos indiretos em todo o ecossistema.

Desaparecimento do ornitorrinco: espera-se que cerca de 40% das populações de ornitorrinco enfrentem extinção localizada nos próximos 50 anos devido à limpeza da terra e desenvolvimento. Os cientistas disseram que o aquecimento e a seca resultante levarão a extinções locais ainda maiores.

Incêndios e Mudanças Climáticas

Incêndios na Sibéria: cientistas encontraram uma ligação entre os incêndios na Sibéria e a oscilação do Ártico, um padrão de variabilidade climática que precede os incêndios em 1 a 2 meses. A oscilação causa o derretimento da neve anterior, que por sua vez seca o solo na primavera, promovendo a propagação do fogo. No sudeste da Sibéria, o aquecimento e o recuo da neve levaram a um aumento na área queimada. Esses incêndios florestais em larga escala também estão liberando carbono do permafrost, o que pode acelerar bastante o aquecimento.

Mais incêndios florestais na Amazônia: um estudo da floresta amazônica descobriu que o aquecimento dobrará a área queimada por incêndios florestais até a metade do século, afetando até 16% das florestas da região e emitindo até 17 Gt de CO2e (quase 1,5 vez as emissões atuais da China). Evitar novos desmatamentos pode reduzir essas emissões pela metade.

Piorou o incêndio na Colúmbia Britânica: um estudo usando um método de atribuição de eventos e simulações de modelos descobriu que a mudança climática piorou a estação de incêndios da Colúmbia Britânica em 2017, em que uma área recorde de 1,2 milhão de hectares pegou fogo. Os cientistas descobriram que o aquecimento induzido por humanos aumentou a área queimada em um fator de 7 a 11.

Outros Impactos

Mais mortes relacionadas a ferimentos: cientistas descobriram que, mesmo que o mundo limite com êxito o aumento da temperatura global para 1,5° C, meta do Acordo de Paris, os Estados Unidos ainda teriam 1.601 mortes adicionais por lesões acidentais. A grande maioria (84%) ocorreria em populações masculinas de adolescentes e de meia-idade, por exemplo, por afogamento (a natação se torna mais comum em climas quentes) e por dirigir embriagado (climas mais quentes levam a mais carros na estrada e aumento do consumo de álcool).

Crimes mais violentos: pesquisadores descobriram que até o final do século, poderia haver de 2,3 milhões a 3,2 milhões de crimes mais violentos resultantes do aquecimento nos Estados Unidos. Por exemplo, assaltos e roubos são mais frequentes quando o tempo está quente.

Aquecimento e gripe: pensava-se anteriormente que as mortes por gripe diminuiriam com os invernos mais quentes, mas esse não foi o caso no inverno muito quente de 2017-2018. Cientistas descobriram que a rápida variabilidade climática no outono é um determinante essencial da gripe mortal nos meses subsequentes nas latitudes médias do Norte. Essa variabilidade climática se tornará mais típica em algumas regiões do Norte de latitude média, aumentando de 20% a 50% o risco de epidemia de gripe nessas áreas densamente povoadas na parte final do século.

Aumento extremo do tempo e da temperatura

2019, o segundo ano mais quente já registrado: a NASA e a NOAA confirmaram que a temperatura média da superfície da Terra em 2019 foi a segunda mais quente em 140 anos de registros. A década passada foi a mais quente já registrada. A NOAA descobriu que o Alasca teve seu ano mais quente já registrado em 2019, 3,4° C acima da média de longo prazo, a primeira vez que a temperatura média anual esteve acima do ponto de congelamento.

E 2019 foi o ano mais quente para os oceanos: pesquisadores também confirmaram que a temperatura do oceano era mais alta em 2019. Os cinco anos mais quentes no oceano foram 2019, 2018, 2017, 2015 e 2016, nessa ordem.

Aquecimento e clima diário: embora a comunidade climática seja rápida em distinguir entre clima e tempo (condições meteorológicas), um novo estudo foi capaz de detectar o impacto das mudanças climáticas em escala global nas “condições meteorológicas de qualquer dia”. Embora as condições locais ainda sejam variáveis, quando em média em todo o mundo, os cientistas encontraram uma tendência de aquecimento de longo prazo evidente nos dados climáticos diários.

Aquecimento nos trópicos: modeladores descobriram que os trópicos não são apenas afetados pelo aquecimento local, mas também fortemente influenciados pelo aquecimento fora dos trópicos, em áreas subtropicais. À medida que o aquecimento subtropical aumenta, a célula de Hadley, um padrão de circulação atmosférica, diminui, enfraquecendo os ventos alísios, elevando a temperatura da superfície do mar e reduzindo a cobertura de nuvens nos trópicos.

Irrigação pode atenuar aquecimento: pesquisadores descobriram que a irrigação reduz substancialmente os extremos de calor, especialmente no sul da Ásia. Os autores do estudo sugeriram que atualmente um bilhão de pessoas se beneficiam dessa redução no calor extremo devido à expansão da irrigação no século passado. No entanto, eles questionam se esse benefício continuará nos próximos anos, dada a incerteza sobre o uso da água e a continuidade da irrigação na amplitude atual.

Emissões

Emissões significativas de conversão do pântano de turfa: os pântanos de turfa tropical retêm uma quantidade substancial de carbono. Os impactos de sua conversão em plantações de óleo de palma e outras plantações não foram quantificados até o momento, em parte devido à falta de dados. Novas pesquisas estimaram que a conversão da floresta do pântano de turfa do Sudeste Asiático contribui para entre 17% e 28% das emissões nacionais combinadas de gases de efeito estufa da Malásia e Indonésia.

Comportamento dos oceanos

Redução de oxigênio no Oceano Antártico: um estudo descobriu que água derretida de camadas de gelo da Antártica e ventos mais intensos tiveram um papel importante na redução dos níveis de oxigênio no Oceano Antártico. A água de derretimento e os ventos mais intensos haviam sido negligenciados pelos esforços de modelagem até o momento. Os autores concluíram que o oceano poderia ser privado de nutrientes mais cedo do que o esperado.

Aumento do nível do mar no delta do Ganges é mais alto do que pensávamos: cientistas descobriram que o aumento do nível do mar desde os anos 1970 no delta do Ganges-Brahmaputra-Meghna (aproximadamente 3 mm/ano) foi superior à média global (aproximadamente 2 mm/ano). Os autores estimam que o aumento do nível do mar pode dobrar até o final do século, mesmo em um cenário de aquecimento moderado, atingindo 85-140 cm no delta como resultado da costa submergindo. Essa estimativa é duas vezes maior que o relatório mais recente do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), que falhou em não considerar a subsidência da terra. A região leste do delta, onde vivem 28 milhões de pessoas, corre um risco particularmente alto.

Eventos extremos relacionados ao nível do mar: pesquisadores que estudam o derretimento da camada de gelo da Antártica descobriram que, mesmo que o aquecimento seja limitado a menos de 2°C até metade 2050, quase metade dos locais de medição da maré em todo o mundo seria exposta ao tipo de evento que, hoje em dia, considera-se ocorrer a cada cem anos. Com cenários de maior aquecimento, muitos locais tropicais, incluindo ilhas baixas, enfrentariam esses eventos ainda mais cedo.

Gelo

Substâncias que destroem o ozônio e o derretimento do Ártico: muitos já ouviram falar do impacto do buraco na camada de ozônio sobre a Antártida e regiões próximas. Recentemente pesquisadores descobriram que substâncias que destroem o ozônio – como clorofluorocarbonetos (CFCs) – também contribuíram significativamente para o recente aquecimento do Ártico. Eles descobriram que, se o uso de substâncias que destroem a camada de ozônio for mantido como atualmente, a perda de gelo do mar será apenas a metade do que ocorrerá se o uso dessas substâncias aumentar. Eles destacaram a importância do Protocolo de Montreal para mitigar o aquecimento do Ártico e o derretimento do gelo marinho.

O permafrost depende do gelo do mar: um novo estudo sobre depósitos de carbonato em uma caverna da Sibéria descobriu que, quando o gelo marinho está presente, o permafrost também está. Quando o gelo marinho está ausente, o permafrost está propenso a derreter devido ao transporte de calor e umidade das águas abertas do Ártico. O degelo do permafrost libera quantidades significativas de carbono, criando um loop de feedback positivo.

Congelamento de rios desaparecendo: rios congelados, que ocorrem sazonalmente, são importantes para muitas comunidades para o transporte de alimentos, combustível e equipamentos. Usando observações de satélite, cientistas descobriram um declínio na duração sazonal do congelamento de rios de cerca de seis dias para cada aumento de 1° C na temperatura do ar da superfície. Nas últimas três décadas, o gelo em rio diminuiu 2,5% em todo o mundo. Os pesquisadores projetaram que, em um cenário de altas emissões, a duração média dos congelamentos diminuiria em quase 17 dias até o final do século, em comparação com a média de 2009-2029.

Geleiras de água da maré derretendo mais rápido do que pensávamos: apresentando novos dados coletados em caiaques robóticos autônomos, cientistas estimaram que a taxa de um tipo crítico de derretimento subaquático sob a geleira LeConte, no Alasca, é 100 vezes maior do que o previsto (∼16 pés/dia em vez de 0,16 pé/dia). Até o momento, esse derretimento tinha sido difícil de observar diretamente. O estudo tem implicações para outras geleiras de água da maré.

A maior geleira da Antártica pode não enfrentar derretimento extremo: a Geleira Pine Island, a maior geleira da Antártica, contribuiu mais para o aumento do nível do mar nos últimos 40 anos do que qualquer outra geleira da Antártica. No entanto, um novo estudo projetou um derretimento mais moderado do que outros modelos sugerem, com base em observações de satélite desde 2010.

ShareThis Button: 

Share

Fique Conectado

Receba nossa newsletter

Receba os últimos comentários, eventos, publicações e recursos multimídia.