Você está aqui

Perdemos um campo de futebol de floresta tropical primária a cada 6 segundos em 2019

Os trópicos perderam 11,9 milhões de hectares de cobertura arbórea em 2019, de acordo com dados da Universidade de Maryland divulgados hoje no Global Forest Watch. Quase um terço dessa perda, 3,8 milhões de hectares, ocorreu dentro de florestas primárias tropicais úmidas, áreas de floresta tropical madura que são especialmente importantes para a biodiversidade e o armazenamento de carbono. É o equivalente a perder um campo de futebol de floresta primária a cada 6 segundos durante todo o ano.

A perda de floresta primária foi 2,8% maior em 2019 do que no ano anterior e permaneceu persistentemente alta nas últimas duas décadas, apesar dos esforços para deter o desmatamento. Ao menos 1,64 Gt de dióxido de carbono emitido estão associadas com a perda de florestas primárias, o equivalente a emissão anual de 400 milhões de carros. Embora a taxa de perda tenha sido menor em 2019 do que nos anos recordes de 2016 e 2017, ainda assim foi a terceira mais alta desde a virada do século.

perda de cobertura florestal global

Os dados de 2019 revelam que vários países sofreram perdas recordes, e os incêndios causaram impactos assombrosos nas florestas primárias e que vão muito além. Embora a situação permaneça desanimadora a nível global, alguns países mostraram sinais de melhoria, dando lições para outras nações. Estes são os locais de observação da perda de cobertura arbórea em 2019:

Incêndios na Bolívia saem do controle

A Bolívia registou uma perda de cobertura arbórea recorde devido a incêndios, tanto nas florestas primárias quanto nas florestas do entorno. A perda total do país em 2019 foi mais de 80% superior em comparação com o ano com o maior registro de área desmatada até então.

Os incêndios espalhados em 2019 ocorreram devido a uma combinação de condições climáticas e atividade humana. Muitos provavelmente foram iniciados pelas pessoas, já que todos os anos elas limpam as áreas de cultivo para plantio, mas o fogo sai do controle, adentrando as florestas devido aos ventos constantes e ao clima seco.

A agricultura em larga escala é um dos principais fatores do desmatamento na Bolívia, principalmente para o cultivo de soja e a criação de gado. O governo fez várias mudanças regulatórias nos últimos anos para promover a expansão da agricultura, inclusive o relaxamento das restrições às queimadas controladas poucos meses antes dos incêndios de 2019.

A província de Santa Cruz, onde as florestas foram as mais atingidas pelos incêndios, é o epicentro da agricultura em larga escala na Bolívia. A floresta seca de Chiquitano, altamente biodiversa, foi particularmente afetada, com registros de que cerca de 12% de sua área foram queimados. Especialistas acreditam que pode demorar centenas de anos para que essa única floresta se recupere completamente. As queimadas também se espalharam por partes do Paraguai, levando o país a considerar pedir indenização à Bolívia por danos.

Brasil contabilizou um terço da perda de florestas tropicais primárias do mundo

O Brasil representou, sozinho, mais de um terço de toda a perda de florestas primárias tropicais úmidas a nível mundial, com mais florestas primárias perdidas do que qualquer outro país tropical em 2019. À exceção de 2016 e 2017, quando as queimadas resultaram na perda inigualável de florestas, 2019 foi o pior ano do Brasil em relação a florestas primárias em 13 anos.

gráfico de perda de cobertura florestal do Brasil

Os dados das perdas de florestas primárias detectam uma ampla variedade de alterações florestais – desde o desmatamento para a agricultura até os incêndios nas matas e a exploração madeireira seletiva. Embora o aumento da perda de florestas primárias entre 2018 e 2019 tenha sido modesto, dados governamentais indicam que uma forma específica de perda de florestas – desmatamento nítido para a agricultura e outros novos usos do solo – aumentou rapidamente na Amazônia brasileira no último ano (leia mais sobre diferentes fontes de dados aqui).

Ao contrário da vizinha Bolívia, as queimadas no Brasil não contribuíram de maneira significativa para a perda de florestas primárias em 2019. A Amazônia brasileira enfrentou incêndios excepcionalmente altos em agosto de 2019, mas muitos deles ocorreram em áreas já desmatadas, enquanto os agricultores preparavam terras para a agricultura e pastagens de gado. A ausência de seca, a atenção do público no início da época de incêndios e as ações preventivas subsequentes podem ter evitado novas queimadas nas florestas primárias.

Análises espaciais do padrão de perda de florestas primárias no Brasil também indicam novos focos de perda preocupantes em territórios indígenas no estado do Pará. No território indígena de Trincheira/Bacajá, o desmatamento como resultado da apropriação ilegal de terras acelerou em 2019. A mineração ameaça florestas em outros territórios, como Munduruku e Kaiapó . Enquanto isso, o governo brasileiro propôs uma nova legislação em fevereiro que permitiria a mineração comercial e a extração de petróleo e gás em territórios indígenas.

mapa terras indígenas

A África Central sofreu perdas constantes, à medida que as coisas melhoravam na África Ocidental

Vários países da Bacia do Congo sofreram perdas constantes ou agravadas de florestas primárias em 2019, inclusive a República Democrática do Congo (RDC). Embora a perda de florestas primárias tenha diminuído ligeiramente em relação a 2018, em 2019 ocorreu a terceira maior perda anual total já registrada.

A maior parte das perdas ainda parece ocorrer em áreas de agricultura cíclica, que normalmente alimentam as populações locais, mas há novas evidências de que algumas podem estar ligadas à extração de madeira comercial em larga escala, à mineração e a plantações. As perdas nas áreas protegidas da RDC aumentaram um pouco, especialmente em reservas e áreas de caça, que têm menos recursos financeiros para impor a proteção do que os parques nacionais, além da parte oriental do país, onde há mais pressão popular por parte das pessoas deslocadas e dos conflitos.

A África Ocidental registrou tendências de queda promissoras após um grande aumento na perda de florestas primárias no ano passado. Gana e Costa do Marfim reduziram a perda de florestas primárias em mais de 50% em 2019 em comparação com o ano anterior. Várias iniciativas positivas podem ser responsáveis, inclusive programas de REDD+ e compromissos assumidos pelos dois países e pelas principais empresas de cacau e chocolate para cessar o desmatamento. A queda em um ano é animadora, mas o tempo dirá se esses esforços causarão um impacto duradouro.

Indonésia manteve perdas menores pelo terceiro ano consecutivo

Uma boa notícia é que a perda de florestas primárias na Indonésia diminuiu 5% em 2019 em comparação com o ano anterior, marcando o terceiro ano consecutivo de níveis de perda mais baixos. O país não registrava níveis de perda tão baixos desde o início do século.

Gráfico de perda de cobertura florestal na Indonésia

A redução ocorre apesar da época de incêndios intensos, que em anos anteriores resultou em perda de grandes áreas de floresta primária. Embora alguns dos danos causados por incêndios dos últimos anos possam não ser detectados até que os dados de 2020 estejam disponíveis, três anos consecutivos de números de perdas historicamente baixos sugerem que a Indonésia pode ter virado a página em seus esforços para reduzir o desmatamento.

Várias políticas provavelmente contribuíram para esse declínio, inclusive maior fiscalização para impedir queimadas e limpezas de terras, e a moratória florestal agora permanente sobre o desmatamento para plantações e extração de palmeiras oleaginosas. Papua e Papua Ocidental, que juntas contêm mais de um terço da floresta primária restante da Indonésia, também continuaram a registrar baixos níveis de perda em 2019, coincidindo com o fato de seus governantes se declararem “províncias sustentáveis”.

A perda dentro de florestas protegidas e áreas protegidas de turfa ainda era muito baixa, mas aumentou ligeiramente a partir de 2018, principalmente devido a causas naturais, como danos causados por tempestades. No entanto, o mandato da Peat Restoration Agency (Agência de Restauração de Turfa, BRG), responsável por proteger e restaurar as turfeiras ricas em carbono sob a direção do presidente, deve terminar em 2020. A Indonésia precisará continuar monitorando as turfeiras para garantir que sua moratória permanente da drenagem e limpeza da turfa seja respeitada.

Colômbia mostrou sinais de grande redução na perda de florestas

A Colômbia também registrou uma redução significativa na perda de florestas primárias em 2019, dando esperança de que o país possa estar mudando de rumo após fortes perdas de florestas nos dois anos anteriores. A perda de florestas primárias no país aumentou rapidamente após um acordo de paz entre o governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) em 2016, que pôs fim ao conflito violento, mas também acarretou um vazio de poder em terras anteriormente ocupadas na Amazônia.

Gráfico de perda de cobertura florestal na Colômbia

A inversão da tendência sugere que as ações do governo podem estar causando impacto. O país estabeleceu metas ambiciosas para reduzir o desmatamento e plantar milhões de árvores em áreas desmatadas. Em abril de 2019, o presidente da Colômbia lançou a “Operação Artemisa”, que emprega militares, policiais e outras entidades públicas para deter o desmatamento nos parques nacionais do país, embora suas atividades não sejam isentas de controvérsias.

Apesar do declínio, a luta da Colômbia para reduzir o desmatamento está longe de terminar. A perda de florestas primárias em 2019 ainda foi a mais alta já registrada em comparação com qualquer ano antes do acordo de paz, com grandes perdas detectadas em várias áreas protegidas e desmatamento contínuo para a apropriação de terras e a criação de gado. O número de alertas de desmatamento quase em tempo real no país foi excepcionalmente alto na primeira parte de 2020, levantando preocupações de que a queda na perda de florestas primárias possa durar pouco.

Incêndios na Austrália causaram perda impressionante de cobertura arbórea

Fora dos trópicos, incêndios florestais arrasaram a Austrália no final de 2019 e no início de 2020, causando um aumento maciço na perda de cobertura arbórea. O ano de 2019 foi, sem dúvida, o pior ano da Austrália já registrado, com um aumento de seis vezes da perda de cobertura arbórea em comparação ao ano anterior. E o verdadeiro impacto dos incêndios é provavelmente pior, já que as queimadas que continuaram até 2020 não estão refletidas nos dados. Os incêndios causaram dezenas de mortes, destruíram milhares de casas e mataram centenas de milhões de animais. Nas florestas com predominância de eucaliptos, muitas das queimadas estão bem adaptadas aos ciclos de incêndio, mas a intensidade, a escala sem precedentes e a interação dos incêndios com a seca podem resultar em mais danos a longo prazo.

Agora é a hora de duplicar a proteção da floresta

Apesar dos aparentes êxitos de alguns países no combate à perda de florestas, os dados de 2019 destacam um fato: a luta para conter a perda de florestas tropicais está longe de terminar. A maioria dos países e das empresas não conseguirá cumprir seus compromissos de 2020 em relação às florestas, com a perda de florestas primárias tropicais mais alta do que nunca. A pandemia do coronavírus representa uma ameaça adicional às florestas do mundo nos próximos meses e anos. A curto prazo, as florestas podem ser afetadas pela falta de fiscalização, resultando em uma maior incidência de desmatamentos e incêndios ilegais. A médio prazo, declínios econômicos e medidas de estímulo podem resultar em maiores perdas de florestas, à medida que os países tentam estimular suas economias com indústrias de extração, como foi o caso da Indonésia durante a crise financeira asiática.

Em vez de sacrificar as florestas em busca de recuperação econômica, o que só acarretará complicações futuras para a saúde e os meios de subsistência de milhões de pessoas no mundo todo, os governos podem fazer melhor. Investir na restauração e na boa administração das florestas criará empregos, contribuirá para economias mais sustentáveis e protegerá os ecossistemas florestais de que o mundo precisa.



Para outras tendências relacionadas aos dados de perda de cobertura arbórea em 2019, consulte as páginas do painel do Global Forest Watch. As autoras gostariam de agradecer Peter Potapov e Svetlana Turubanova, da Universidade de Maryland, que atualizaram o conjunto de dados da perda de cobertura arbórea.

ShareThis Button: 

Share

Fique Conectado

Receba nossa newsletter

Receba os últimos comentários, eventos, publicações e recursos multimídia.