Você está aqui

6 maneiras de tornar as ruas mais seguras para pedestres

Este post foi publicado originalmente no TheCityFix.


Para muitos governos municipais, mais carros e mais estradas significam transporte melhor. E durante a atual pandemia, o medo da disseminação da Covid-19 tem levado as pessoas a recorrer aos veículos particulares. Mas um futuro mais seguro e sustentável para o transporte não inclui a dependência dos carros, como deixam claro a tendência global e crescente de mortes de pedestres, o crescimento congestionado e desconectado das áreas urbanas, a poluição do ar e as emissões.

Mais de 1,35 milhão de pessoas morrem todos os anos em decorrência de acidentes de trânsito, e mais de metade das mortes é de pedestres, ciclistas e motociclistas. Desde o último relatório de segurança viária da Organização Mundial da Saúde, de 2015, morrem 300 pessoas a mais por dia em acidentes. Na Índia, a mortalidade de pedestres aumentou 84% nos últimos quatro anos, com a média diária de mortes passando de 34 para 62 em 2018. Nos Estados Unidos, cerca de 6 mil pedestres foram mortos em acidentes ao longo de 2018 – um aumento de 4% em relação a 2017 e a maior taxa de mortalidade anual do país desde 1990.

À medida que cidades em todo o mundo inauguram novas ciclovias e abrem mais espaço para pedestres em resposta à Covid-19, o que começou como solução para manter o distanciamento social também na mobilidade se tornou uma visão permanente para algumas cidades, que perceberam os benefícios de ruas que comportam uma gama mais ampla de usuários. Porém, sem um bom planejamento e a integração dos princípios de “ruas completas”, as mudanças podem criar condições menos seguras e intervenções mal integradas ao ambiente urbano.

A seguir, confira seis maneiras pelas quais as cidades podem criar ruas mais amigáveis aos pedestres e que contribuem para um ambiente urbano mais seguro, limpo e produtivo.

1. Oferecer uma rede de calçadas contínua e acessível

foto de calçadas em Bangalore

Calçada improvisada em Bangalore, redesenhada para se tornar ampla, contínua e protegida, com pilares fixos para impedir a invasão do espaço por veículos motorizados. (Foto: Jana Urban Space (Índia))

Conforto, continuidade e segurança são determinantes para a qualidade de uma calçada. Calçadas bem planejadas são contínuas – não terminam abruptamente no meio da quadra ou nos cruzamentos – e dispõem de espaço para que os pedestres possam caminhar, descansar, fazer compras, comer, conviver e socializar. A largura recomendada é de 1,5m a 1,8m pelo menos para áreas de baixo volume de circulação e de 2,5m para áreas de alto volume. O distanciamento social pode exigir ainda mais espaço em áreas de alto volume.

Uma calçada deve ser dividida em três seções: uma “zona de fachada” para portas, mobiliário e outros elementos dos estabelecimentos comerciais; uma “zona de pedestres” livre obstáculos para facilitar a circulação; e uma “zona de equipamentos”, que inclui árvores, placas de sinalização, lixeiras, mobiliário público e drenagem. Uma calçada segura e acessível também deve ter rampas de acesso para garantir a acessibilidade, usar pavimento antiderrapante para reduzir o risco de escorregões e quedas em dias de chuva e superfícies táteis para pedestres com deficiência visual.

Evidências dos Estados Unidos mostram que a probabilidade de acidentes de trânsito envolvendo pedestres é duas vezes maior em locais sem calçadas, enquanto as vias com passeios de ambos os lados têm o menor número de acidentes.

2. Converter espaços inativos ou subutilizados em praças para pedestres

foto de intervenção de rua para pessoas em rua de Fortaleza

O bairro Cidade 2000 em Fortaleza foi redesenhado em 2017 para se tornar um espaço atrativo para pedestres, melhorando a segurança e aumentando o espaço público. (Foto: Rodrigo Capote/WRI Brasil)

Praças de pedestres podem transformar, com baixo custo, áreas subutilizadas em espaços ativos da comunidade. Zonas subutilizadas, pouco ocupadas ou carentes de estrutura podem ser reformadas com a ajuda de tintas, vasos de plantas, manifestações artísticas e mobiliário urbano, além de iluminação e elementos paisagísticos resistentes e de baixa manutenção.

Essas transformações têm um impacto significativo na segurança dos pedestres. A cidade de Nova York registrou uma redução de 16% nas altas velocidade e de 26% nos acidentes de trânsito nas ruas que contam com praças de pedestres. Espaços assim também contribuem para os negócios locais e fortalecem a interação da comunidade no bairro.

O bairro residencial Cidade 2000, em Fortaleza, foi diversas vezes ocupado pelos carros e convertido em estacionamento ilegal até 2017, quando se tornou o cenário da primeira experiência da cidade com medidas de moderação de tráfego – um projeto chamado Cidade da Gente. Com apoio do WRI Brasil, a intervenção transformou 1.200 metros quadrados de estacionamento e faixas de tráfego em uma praça funcional para pedestres. A mudança incluiu a remoção de uma faixa de trânsito, redução do limite de velocidade para 30 km/h, alargamento das calçadas e implementação de extensões de meio-fio e cinco novas travessias para pedestres. Arte de rua, mobiliários e infraestrutura verde também foram usados para criar um espaço delimitado e acolhedor para as pessoas. Devido ao sucesso do projeto, Fortaleza tornou a intervenção permanente. A experiência é hoje um exemplo em toda a cidade de como design inteligente e urbanismo tático podem melhorar as ruas para todos.

3. Criar zonas seguras para crianças e adolescentes

Crianças na rua depois da escola na base aérea de Yakota

Crianças na rua depois da escola na base aérea de Yakota, no Japão. Sinalização e elementos de design alertam os motoristas para prestar atenção. (Foto: Sgt. Stacy Moless/U.S. Air Force)

As crianças são mais vulneráveis a colisões do que os adultos devido ao seu tamanho, controle limitado dos impulsos e menor tempo de reação. Em Hyderabad, Índia, 25% dos meninos e 11% das meninas de 11 a 14 anos relatam ter sofrido alguma lesão no trânsito no período de um ano durante os trajetos para a escola.

Áreas no entorno de playgrounds, parques, escolas e centros comunitários exigem atenção especial e zonas seguras. As zonas seguras devem estar equipadas com boas condições para caminhar e andar de bicicleta, bem como áreas designadas para veículos buscando ou deixando as crianças. Sinalização de trânsito e marcações nas vias devem alertar os motoristas de que estão entrando em uma zona especial. Pavimentos antiderrapantes, faixas de pedestres visíveis e calçadas largas e acessíveis devem facilitar a circulação de pessoas a pé. Infraestruturas de moderação do tráfego devem ser implementadas para reduzir a velocidade dos veículos.

A SARSAI, vencedora de 2018-2019 do Prêmio WRI Ross para Cidades, ajudou a reduzir em 26% as lesões decorrentes de acidentes de trânsito entre crianças em idade escolar em Dar Es Salaam, Tanzânia, e outras cidades africanas por meio de intervenções em áreas escolares.

4. Implementar espaços viários compartilhados

rua de estocolmo com pedestres, carros e bicicletas

Via compartilhada em Estocolmo, usada por pedestres, ciclistas e motoristas. (Foto: Michael Kodransky/Flickr)

Embora não seja uma medida aconselhável em condições de pandemia, em áreas de alta densidade e com baixos volumes de tráfego de veículos, abrir ruas para permitir que carros, pedestres, ciclistas e outros usuários compartilhem o mesmo espaço pode melhorar a segurança em condições normais.

As ruas compartilhadas não possuem alguns elementos típicos de outras ruas, como meio-fio vertical, sinalização, diferença de nível, marcações de calçada ou cores que delimitam o espaço para diferentes modos de transporte. Elas em geral incluem elementos que promovem a prioridade dos pedestres e estimulam trocas sociais, culturais e econômicas, como mobiliário urbano, paisagismo e espaços de convivência. O resultado desses atributos é que todos os usuários da via têm mais cautela ao circular, e os veículos tendem a trafegar a velocidades mais baixas.

Dados da Holanda indicam que a criação de ruas compartilhadas pode reduzir a incidência de colisões em até 50%.

5. Pedestrianizar ruas

rua para pedestres na ucrânia

Rua exclusiva para pedestres em Lviv, Ucrânia. (Foto: Brian Woychuk/Flickr)

Como tem sido feito agora em resposta à Covid-19 em áreas com alto volume de pedestres, as cidades devem considerar a proibição total do tráfego de veículos para permitir que as pessoas se movam livremente e com segurança.

As ruas exclusivas para pedestres não apenas melhoram a segurança das pessoas, como reduzem os níveis de ruído e contribuem para a qualidade do ar, a valorização dos imóveis, as vendas do comércio local e a saúde em geral. Um estudo de 2016 com mais de 100 cidades no mundo que mantinham diversas ruas exclusivas para pedestres mostrou que as vendas no comércio aumentaram 49%. Cidades na Áustria, Alemanha e países escandinavos registraram um aumento de mais de 60% nas vendas.

Ruas exclusivas para pedestres devem ser estrategicamente localizadas e facilmente acessíveis a partir de áreas residenciais e comerciais. Devem ser bem conectadas ao sistema de transporte público, ciclovias, estacionamentos e outros pontos de acesso.

6. Promover dias sem carro

ciclovias de bogotá na colômbia

A iniciativa La Ciclovía, de Bogotá, proíbe a circulação de carros todos os domingos, permitindo que pedestres e ciclistas tomem conta das ruas. (Foto: Carlos Filipe Pardo/Flickr)

Os dias sem carro, quando as cidades fecham uma ou mais ruas para o tráfego de veículos, incentivam as pessoas a explorar a cidade de bicicleta ou a pé e ajudam a mudar a perspectiva sobre a rua e o espaço público. No ano passado, mais de dois mil cidades de 46 países celebraram o Dia Mundial sem Carro, realizado sempre em 22 de setembro.

A capital colombiana, Bogotá, realiza o maior evento do tipo no mundo, La Ciclovía, que acontece todos os domingos das 7h às 14h, cobrindo a maior parte da cidade. A iniciativa oferece mais de 120 quilômetros de espaço livre de carros para mais de 1,5 milhão de pessoas. (Conforme as restrições vigentes na cidade devido à Covid-19, uma parte desse espaço passou a ser liberada também em dias úteis, para permitir alternativas ao transporte público aos trabalhadores essenciais.)

Dias sem carro são oportunidades para reviver, animar e transformar os bairros. Áreas de estacionamento e esquinas vazias são convertidas em parklets e espaços para jogos, atividades de lazer, esportes e manifestações artísticas, e as ruas são ocupadas por pedestres e ciclistas de todas as idades.

Promover dias sem carro com regularidade pode contribuir para aumentar a prática de atividade física, diminuir os níveis de poluição, promover inclusão social e a construção da comunidade, proporcionar oportunidades de revitalização econômica e estimular a caminhada e o uso da bicicleta em um ambiente mais seguro. Quando Paris realizou seu primeiro dia sem carro, em 2015, houve redução de 40% nas emissões de escape de veículos e de 50% no nível de ruído no centro da cidade.

Imagine uma cidade planejada para priorizar os pedestres. Essa é uma cidade mais conectada, ativa, segura e saudável. À medida que os centros urbanos respondem aos efeitos da Covid-19, esforços para repensar o espaço viário devem colocar os princípios de planejamento focados nos pedestres entre as prioridades. As pessoas sabem como usar uma boa rua quando veem uma; cria-las é a responsabilidade dos planejadores urbanos.



Nikita Luke é Associada de Projeto na equipe de Saúde e Segurança Viária do WRI Ross Centro para Cidades Sustentáveis.

ShareThis Button: 

Share

Fique Conectado

Receba nossa newsletter

Receba os últimos comentários, eventos, publicações e recursos multimídia.