Você está aqui

Conectando as pessoas certas para plantar um trilhão de árvores

Este blog foi publicado originalmente no Insights.


Todos estão falando sobre árvores. Em janeiro, o Fórum Econômico Mundial fundou a iniciativa Um Trilhão de Árvores (Trillion Trees, em inglês), um esforço para proteger e cultivar árvores o suficiente para combater as mudanças climáticas e construir economias e paisagens rurais saudáveis. Mais ou menos na mesma época, grandes empresas privadas estabeleceram seus próprios compromissos de cultivar centenas de milhões de árvores.

Esse momento se deu logo depois de um ano desastroso para as árvores em todo o mundo. Em 2019, 11,9 milhões de hectares de cobertura vegetal foram perdidos nos trópicos, o equivalente a cerca de 4 bilhões de árvores – uma área do tamanho de Honduras ou do estado da Pensilvânia.

A iniciativa Um Trilhão de Árvores se junta a um movimento já existente, liderado em escala local, para restaurar paisagens degradadas. Projetos de governos, ONGs e produtores transformaram amplas faixas de terra em diversos países – desde o Níger, onde agricultores recuperaram 5 milhões de hectares, com pouco reconhecimento público, até os Estados Unidos, onde o Serviço Florestal restaurou dezenas de milhões de hectares de terras do governo.

Por outro lado, potenciais financiadores têm dificuldade de encontrar parceiros confiáveis que possam cultivar árvores de maneira responsável e em larga escala. Em geral, os investidores não têm informações precisas sobre os mercados locais onde operam os cultivadores. E, quando ambas as partes entram em contato, a falta de experiência por parte dos financiadores pode levá-los a impor restrições sem embasamento e a exigir um valor por árvore insustentável para o projeto.

O mau planejamento leva ao fracasso do plantio de árvores

Em parte, é por isso que algumas campanhas de alto perfil para o plantio de árvores costumam dar errado – porque foram mal planejadas e ignoraram as preocupações de especialistas e da comunidade local. No ano passado, na Turquia, uma campanha do governo plantou 11 milhões de mudas em um dia para ver 90% delas morrerem logo depois, devido à falta de cuidados.

Esse tipo de erro não é novo. Nos anos 1970, a árvore de Mesquite foi introduzida no Quênia para combater a desertificação, fornecer lenha e alimentar os animais. No entanto, o ambiente do Quênia foi tão favorável à espécie que a árvore se espalhou de forma agressiva, superou as espécies nativas e devastou a pastagem, prejudicando os agricultores e criadores de animais que deveria ajudar.

Esses erros são reais, mas desviam a atenção dos motivos pelos quais as pessoas plantam árvores – que trazem benefícios tangíveis tanto para populações próximas quanto distantes.

Jovens plantam árvores no QuêniaNo Quênia, jovens trabalham no plantio de florestas para restaurar a terra. Foto: Peter Irungu/WRI

Um movimento global de especialistas em restauração de paisagens

Árvores e outras soluções baseadas na natureza ajudam as comunidades na adaptação às mudanças climáticas e podem ser responsáveis por até 37% da redução anual necessária até 2030 nas emissões de gases do efeito estufa. Árvores e florestas impedem a erosão onde crescem, regulam o abastecimento de água, mantêm o solo fértil e aumentam o rendimento das culturas. Para cada US$ 1 investido em restauração, é possível ganhar até US$ 30 em benefícios diretos. As árvores são ativos econômicos essenciais para as pessoas cujos meios de subsistência dependem da madeira, frutas e outros produtos fornecidos pelas árvores.

É por isso que empresas, ONGs e órgãos governamentais, especialmente em economias emergentes, buscam fontes de financiamento para investir no cultivo de árvores. Na África, Malawi desenvolveu um Programa de Restauração de Florestas Jovens que abre caminho para o desenvolvimento da área rural e a criação de oportunidades de emprego. Na América Latina, El Salvador adotou a resolução da ONU para declarar 2021 a 2030 como a Década de Restauração de Ecossistemas e criou um índice de sustentabilidade pioneiro para mensurar os impactos da restauração.

Muitos desses exemplos vêm de lideranças com décadas de experiência e conhecimento local aprofundado. São projetos que sabem a forma correta de cultivar árvores. Começam com o engajamento dos habitantes locais, escolhem as espécies certas para os lugares certos, constroem estratégias colaborativas para restaurar paisagens e economias inteiras, cuidam das árvores e monitoram seu desenvolvimento. Esses cultivadores, porém, não contam com um espaço centralizado onde encontrar e educar financiadores ou estabelecer parcerias de longo prazo para dar escala a seu trabalho.

Conectando investidores a pessoas cultivando árvores com sucesso

Produtor de cacau no PeruAIDER ajuda produtores de cacau no Peru a plantar árvores, aumentando a produtividade e protegendo florestas. Foto: Natasha Ferrari/WRI

É onde entra o TerraMatch. Embasado em anos de pesquisa do WRI, o TerraMatch é um aplicativo e plataforma online que combina esse novo interesse do setor privado com a experiência do movimento global de restauração de áreas degradadas e desmatadas.

Pessoas de todas as partes do mundo com projetos de restauração publicam na plataforma detalhes sobre seus projetos, mediante avaliação do WRI. Cada proposta de projeto informa as espécies de árvores envolvidas, o histórico da taxa de sobrevivência da espécie e o método de restauração utilizado. Os desenvolvedores do projeto explicam os cursos reais não apenas de plantar uma árvore, mas de cultivá-la por anos, incluindo a preparação do terreno, a manutenção das árvores por anos depois do plantio e o monitoramento do progresso ao longo do tempo.

Os financiadores, por sua vez, publicam suas ofertas, explicando os tipos de projeto que esperam apoiar e a quantia em dinheiro que podem oferecer. A partir daí, ambas as partes usam o algoritmo do TerraMatch para buscar parcerias até que uma combinação aconteça.

Projetos tornando realidade um trilhão de árvores

Com a abordagem do TerraMatch, o WRI já transferiu desde 2018 mais de US$ 2 milhões de financiadores para desenvolvedores de projetos em nove países. Isso inclui a AIDER, uma ONG no Peru responsável pela proteção e restauração de mais de 1,1 milhão de hectares de floresta na Amazônia. A AIDER buscava financiamento para ampliar seu programa de proteção da biodiversidade na Reserva Nacional de Tambopata com uma faixa de fazendas sustentáveis e produtivas, cheias de árvores. Ao longo de três anos, o financiador One Tree Planted ajudou a AIDER a cultivar mais de 300 mil árvores, transformando a vida dos produtores de mamão e cacau da região e combatendo as mudanças climáticas.

Em Ruanda, a ARCOS – uma rede de cooperativas lideradas por mulheres – recebeu em 2018 financiamento para cultivar mais de 40 mil árvores e, com isso, aumentar a produtividade das lavouras e a segurança alimentar. Atualmente, a organização trabalha para dar escala ao projeto a fim de proteger a Floresta Gishwati, uma área ameaçada.

Por fim, desde 2019, o financiamento para mais de 25 mil árvores, cultivadas pela Agência de Proteção Ambiental de Gana, começou a revitalizar a área de colinas conhecida como Tongo Hills para combater a erosão e proteger as fontes de água. Por meio do Programa Juventude na Agricultura e no Reflorestamento, Gana pode transformar futuros financiamentos em oportunidades econômicas sustentáveis para a população jovem do país.

Expandindo a economia da restauração de paisagens

Governos, empresas e comunidades atuaram pela restauração ao longo de uma década no Desafio de Bonn. O mesmo se deu com as alianças regionais AFR100 na África e com a Iniciativa 20x20 na América Latina e no Caribe. Por meio desse movimento global de restauração, milhares de pessoas estão cultivando árvores que vão sobreviver e durar – mas esse trabalho precisa de financiamento para continuar.

Para apoiar o movimento, a iniciativa Um Trilhão de Árvores assumiu um compromisso robusto para restaurar paisagens através do cultivo de árvores. Para evitar que falhas do passado se repitam e para desenvolver de forma bem-sucedida projetos já existentes, investidores precisam formar parcerias com especialistas locais e garantir os cuidados necessários para que as árvores cresçam por décadas. O TerraMatch é um canal pelo qual líderes corporativos podem criar parcerias de longo prazo para apoiar de maneira sustentável empreendedores que estão construindo a economia global de restauração de paisagens.

Convidamos todos os financiadores e cultivadores de árvores a se cadastrarem no TerraMatch para começar essas conexões. Acesse TerraMatch.org para criar uma conta ou página do projeto no nosso site para saber mais detalhes. O TerraMatch está disponível em inglês, francês, português e espanhol.

ShareThis Button: 

Share

Fique Conectado

Receba nossa newsletter

Receba os últimos comentários, eventos, publicações e recursos multimídia.