O projeto Verena (Valorização Econômica do Reflorestamento com Espécies Nativas) busca promover e acelerar a restauração e o reflorestamento de áreas degradadas por meio da silvicultura de espécies nativas e dos sistemas integrados (sistemas agroflorestais, sistema silvipastoril, iLPF e iPF) em larga escala.

Tais atividades contribuirão para o Brasil cumprir seus compromissos ambientais e climáticos, como a meta da NDC brasileira (compromissos assumidos no Acordo de Paris) de restaurar e reflorestar 12 milhões de hectares de florestas até 2030 e o cumprimento do Código Florestal. Também criam uma grande oportunidade de geração de emprego, renda e riqueza na área rural.

Por que plantar espécies nativas?

A silvicultura de espécies nativas brasileiras tem o potencial de gerar benefícios múltiplos. Dentre eles, destacam-se:

  • Atender à demanda de produtos madeireiros e não madeireiros da floresta, incluindo alimentos e produtos farmacêuticos.
  • Contribuir para a conservação da biodiversidade e reduzir o desmatamento e a degradação florestal .
  • Gerar emprego no meio rural e renda para pequenos, médios e grandes produtores.
  • Produzir externalidades positivas voltadas aos serviços ambientais, como melhoria e disponibilidade de água e conservação e melhoria da qualidade do solo.
  • Remover milhões de toneladas de carbono da atmosfera e recuperar o solo e nascentes de água.
  • Aumentar a resiliência da agropecuária.

Como o Verena atua?

Para promover e dar escala a esta nova economia baseada em silvicultura de espécies nativas e sistemas integrados, o projeto Verena atua nas seguintes frentes prioritárias.

Geração, sistematização e disseminação de conhecimento e ferramentas

A partir de pesquisa e construção de cases de negócio robustos, o projeto Verena pretende dimensionar o potencial de negócios que promovem a silvicultura de espécies nativas e sistemas agroflorestais (SAFs).

Estes cases devem fornecer parâmetros confiáveis para subsidiar análises de risco e decisões de investimento. Mais de 30 projetos de parceiros do Verena já foram levantados e modelados através da Ferramenta de Investimento Verena.

Cases de parceiros VERENA

Pesquisa e Desenvolvimento (P&D)

Através da participação na Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, o Verena coordena com parceiros e especialistas o desenvolvimento do Programa de Pesquisa & Desenvolvimento em Silvicultura de Espécies Nativas (PP&D-SEN). O programa foi lançado em abril de 2021, com a proposta de mobilizar recursos públicos e privados para apoiar uma rede de pesquisadores e instituições, suprindo lacunas de conhecimento no desenvolvimento das espécies.

Desenvolvido com base em um estudo sobre lacunas e prioridades para P&D de espécies nativas, o PP&D-SEN apoiará inicialmente pesquisas sobre 30 espécies da Amazônia e da Mata Atlântica. Ao desenvolver o conhecimento científico sobre essas espécies; aprimorar a seleção de mudas e sementes e as técnicas de melhoramento genético; e desenvolver os princípios de manejo, ainda inexistentes para essas árvores brasileiras, o programa tem o potencial de reduzir custos e impulsionar a silvicultura de espécies nativas.

webinar de lançamento do PP&D-SEN contou com anúncio de duas outras iniciativas dentro do escopo do programa: um curso de pós-graduação sobre silvicultura de espécies nativas oferecido em parceria por Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), e um livro inédito sobre o tema, coordenado pelos professores Fátima Piña-Rodrigues e José Mauro Santana da Silva, da UFSCar.

Marco regulatório e Políticas Públicas

Também através da Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura e de seus parceiros, o Verena tem trabalhado com governos para dar segurança jurídica à silvicultura de espécies nativas e remover barreiras que impedem a atividade. Assim, será possível tornar a atividade rentável e atrativa para produtores rurais, investidores e agentes financeiros.

Grande parte da regulação relacionada à silvicultura de espécies nativas foi elaborada para impedir a extração ilegal de produtos da floresta. A silvicultura com espécies nativas, porém, é uma prática completamente diferente da exploração de florestas nativas e promove diversos benefícios ambientais e sociais. Seu tratamento regulatório deve ser adequado para refletir esta realidade e promover segurança jurídica.

Mobilização de investimento e financiamento

Aumentar o volume de capital para financiar a silvicultura de espécies nativas e os sistemas agroflorestais, e assim aumentar sua escala, depende de algumas condições: é preciso diminuir a percepção de risco por parte de investidores, analistas de investimentos e produtores rurais; fomentar o desenvolvimento e atração de instrumentos financeiros adequados à atividade; e conectar bons projetos com potenciais investidores.

O projeto Verena contribuiu para este cenário promovendo rodadas com investidores da Iniciativa 20x20, workshops para engajar investidores e financiadores, treinamento de agentes financeiros e mobilização de recursos para implementação e expansão de projetos viáveis. Além disso, o Verena auxilia parceiros a gerar e estruturar as informações necessárias para alavancar suas atividades de restauração. As ferramentas, a experiência acumulada e as conexões do Verena com os mais diversos parceiros e iniciativas ajudam implementadores, investidores e apoiadores de projetos a dar escala à restauração florestal.

Mercados de produtos de florestas plantadas com espécies nativas

Estudar demanda, oferta e uso dos produtos de espécies nativas é essencial para entender riscos, potencial de expansão de florestas, dinâmica de carbono, impactos sociais e ambientais da cadeia produtiva e sua relação com outras cadeias, dentre outros aspectos de mercado. Esta lacuna é apoiada pelo projeto Verena para subsidiar seus parceiros a implementarem a silvicultura de nativas com escala.

Inteligência territorial

A avaliação de mercado associada com a identificação das áreas de maior potencial para implementação de projetos de silvicultura de espécies nativas pode contribuir para maximizar sua chance de sucesso, e ao mesmo tempo potencializar os benefícios socioambientais para a região de interesse.

Análises através de geoprocessamento possibilitam gerar cenários de implementação de projetos e estimar seu impacto na região, considerando os potenciais serviços ecossistêmicos promovidos a partir dos plantios florestais, como estimativa da redução de sedimento gerado, ou do potencial de carbono sequestrado.

Apoio a outros programas

O Verena tem sinergias com outros projetos e iniciativas em prol do aumento da restauração florestal como: Nova Economia para o BrasilTrillion TreesIniciativa 20x20Pacto Mata AtlânticaAliança AmazôniaDécada da Restauração dos EcossistemasGlobal Landscapes ForumThe Bonn ChallengeCoalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, Polo Vale do Paraíba, Programa ReflorestarConservador da MantiqueiraDiálogo Florestal e seus Fóruns regionais, Land Accelerator e Terra Match, entre outros.